Antes da convocação para a Copa do Mundo de Futsal de 2016, os nomes de Gadeia e Daniel Japonês eram dados como praticamente certos. Porém, na hora da lista final, ambos ficaram fora. Uma grande decepção, que acabou virando motivação. Hoje, os dois estão novamente na seleção brasileira, se destacando no Grand Prix, em Brusque.

Ricardo Artifon

Daniel Japonês, autor do primeiro gol do jogo

Juntos na frustração, juntos na recuperação. Pouco tempo depois, Gadeia acertou com o Inter, da Espanha, considerado o melhor time do mundo, onde Daniel já jogava. A dupla se entrosou rapidamente e se tornou fundamental para a equipe, que conquistou a Liga Espanhola e o Campeonato Europeu. Como consequência, a volta à seleção em grande estilo, onde eles esperam repetir o sucesso.

– Jogar com o Gadeia é fácil. Quem não quer jogar com os melhores? Jogar com ele é maravilhoso. Espero repetir aqui essa parceria, porque sempre vamos lutar por títulos. Nosso entrosamento no dia a dia faz a diferença, acaba sabendo o que o companheiro gosta de fazer. E fora de quadra ele também é uma grande pessoa – falou Daniel.

– Jogador de qualidade a gente sempre quer ao nosso lado. Esperamos repetir aqui na seleção o que fazemos no Inter. Não é fácil, a gente sabe, mas queremos seguir ganhando lá para estar sempre aqui. Somos como uma família, convivemos todos os dias, estando aqui, nos conhecemos em quadra, sabemos o que cada um gosta, é muito vantajoso para nós – destacou Gadeia.

Porém, a frustração pelo que aconteceu antes do Mundial de 2016 ainda não foi esquecida.

– Acho que a vida não é justa no geral. Os atletas que estavam lá tinham nível muito bom, não tenho nada quanto à convocação. Mas na minha maneira de ver, no meu caso, achei injusto a forma como foi conduzida a convocação. Eu tinha vindo pra todas as convocações, estava com um pé dentro, mas na última hora não fui. Mas não tenho nada contra quem foi, todos era excelentes e mereciam. Mas a minha questão é a forma como foi conduzida – analisou Daniel.

Ricardo Artifon

– Existem vários jogadores de qualidade, mas fiquei chateado pela forma como tudo foi conduzido. Isso passou, acontece. Estamos aqui de novo – falou Gadeia.

Mesmo com a decepção e a dificuldade de defender a seleção brasileira por conta dos conflitos de calendário com a Europa, o objetivo da dupla segue claro: disputar a Copa do Mundo representando o país.

– É um novo ciclo, novo treinador, pessoas diferentes… Estamos felizes por sermos lembrados, vamos dar nosso máximo sempre que formos chamados. Estando bem no clube é meio caminho andado para estarmos aqui. Vou trabalhar forte por esse sonho de jogar o Mundial pelo Brasil – completou Gadeia.

– É um novo trabalho. Muita coisa mudou. Hoje estamos aqui. O que ficou no passado, ficou. Sempre estaremos à disposição da seleção brasileira. Esperamos que o Brasil retome seu caminho. Tem que ser do começo. É um ciclo, vamos começar firme, do começo, com um trabalho honesto. E aí sim, com esse trabalho nesse ciclo, podemos ir bem no Mundial – finalizou Daniel Japonês.

Enquanto ainda não tem Copa do Mundo, a dupla vai se destacando no Grand Prix. Após duas goleadas (10 a 1 no Uruguais e 6 a 1 na Costa Rica), a seleção brasileira enfrenta a Bélgica nesta quinta-feira, às 19h15, com transmissão do SporTV 3. Com Daniel e Gadeia mais motivados do que nunca!