O técnico do Cresol/Marreco Futsal, Eduardo Pacheco Coelho, o Baiano, participou na manhã de quarta-feira, em Curitiba, do seminário “Futsal Paranaense: Relato dos Campeões”, promovido pelo Grupo de Pesquisa em Atividade Física, Esporte e Tecnologia (Geprafetec), da Universidade Tecnológica do Paraná (UTFPR).

Baiano disputou 12 finais da Série Ouro. Ele é o maior vencedor, com seis conquistas. Quando perguntado sobre o que mais lhe marcou na carreira, o treinador do Cresol/Marreco respondeu da seguinte forma: “Em 2010, nós fomos campeões com o Guarapuava. Na pré-temporada, perdemos um jogador, o Róbson, que morreu exatamente oito anos atrás, no dia 7 de março. Depois ainda morreu o filho do nosso goleiro durante o ano. E essas adversidades uniram ainda mais a nossa equipe, que resultou no título. O Róbson trabalhou comigo desde os 15 anos, levei ele jogar no Japão, era praticamente um filho. Foi uma perda muito grande.”

Divulgação Jornal de Beltrão

Baiano participou de evento em Curitiba

Outros treinadores

Além de Baiano, também participaram do seminário outros dois treinadores: Nei Victor (pentacampeão pelo Cascavel) e Joel de Lóco (bicampeão pelo Foz). Eles também responderam a mesma pergunta no evento. “Eu sou treinador de um time só. Fui jogador do Cascavel e sou treinador do time há 21 anos. Meus maiores exemplos estão aqui. Como eu e o Baiano disputamos seis ou sete finais, muitos acham que a gente é inimigo, mas isso não é verdade. Somos amigos fora das quadras e adversários durante os jogos, é bem diferente. E o Joel é um mestre pra mim, foi meu treinador, fui capitão do time dele, aprendi muito mesmo. Eu criei minha família com o futsal, devo muito a essa modalidade”, disse Nei Victor. “Sempre fica a lembrança do que se fez. Tenho muito orgulho disso. O fato mais marcante na minha carreira é a lembrança das pessoas das conquistas que tivemos. Isso é muito gratificante. Os jogos passam e as amizades ficam no futsal”, disse Joel.

Outras homenagens

Depois da mesa redonda com os três treinadores, a universidade fez algumas homenagens para personalidades importantes no futsal paranaense: Luiz Sérgio Lavarda e Írio Daroz Brol, do Pato Futsal, Júnior Muffatto, do Cascavel, Ricardo Ronqui, supervisor do Cresol/Marreco, Adélio Demeterco e Lindomar “Bill” Júnior, do Foz Cataratas, Aldino Cárdias e Wilson Veiga Júnior, da Liga Iguaçuense de Futsal.

Série Ouro com 23 anos

A Série Ouro do Paranaense de Futsal passou a ser disputada em 1995. Portanto, a competição já tem 23 anos. “Ver o futsal valorizado no meio acadêmico é muito importante. A Utfpr está de parabéns pelo evento”, disse Carlos Maurício Zaremba, árbitro de futsal e coordenador do curso de Educação Física da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). “Com esse evento, estamos aprendendo a valorizar o passado e aprender com a história do futsal”, complementou Júlio César Bassan, professor do Mestrado de Educação Física da Utfpr, campus de Curitiba. “Essas pessoas homenageadas fazem parte da evolução da modalidade em nosso estado”, disse Elto Legnani, professor do Mestrado de Educação Física da Utfpr e coordenador do evento.