A seleção brasileira de futsal encerra a sua intertemporada em Barcelona nesta terça-feira, quando enfrenta a Catalunha às 18h30 (de Brasília), no ginásio do Palau d’Esports de Granollers, com transmissão ao vivo do SporTV3. Este é o segundo amistoso do Brasil contra os catalães. No domingo, a equipe comandada por PC Oliveira bateu os donos da casa por 4 a 0.

Ivan Raupp

A estrutura do Barcelona serviu para os treinamentos da seleção

– A impressão que a gente tem é que está todo mundo comprometido, tanto comissão técnica quanto jogadores. Todos os jogadores estão brigando pelo seu espaço, tentando se firmar na seleção. O principal é isso mesmo, todo mundo quer remar para o mesmo lado – disse o pivô Ferrão, autor de dois gols no jogo de domingo.

A seleção chegou a Barcelona no dia 23 de janeiro. Desde então, o time vinha treinando na Cidade Esportiva Joan Gamper, no município vizinho de San Joan Despí. O local é o principal centro de treinamento do Barcelona, clube onde atua Ferrão e o ala Dyego, ex-Joinville.

– Todo mundo tem a aprender com o Barcelona. Acho que é a melhor do mundo no futsal hoje em dia. Foi pouco tempo de trabalho, mas nos treinamentos dá para perceber que o pessoal está bastante dedicado, focado no trabalho – elogiou Dyego.

Um dos jogadores mais experientes do grupo convocado para a intertemporada, o goleiro Tiago lembrou das dificuldades encontradas pela seleção nos dois últimos ciclos, quando os compromissos no exterior eram raros e a falta de estrutura para treinamentos era evidente.

– Essa reconstrução era necessária, né? Viemos de um ciclo bem conturbado, com problemas administrativos, e isso afetou diretamente dentro da quadra. Tentamos de alguma forma deixar isso do lado de fora, mas sofremos um pouquinho. Então, nesse novo momento, o que passou passou. É fazer de tudo o que possível em termos de estrutura e organização pra gente retomar a hegemonia no próximo Mundial – destacou o goleiro campeão do mundo em 2008 e 2012.

Ivan Raupp

PC de Oliveira em busca das melhores práticas e trocas de experiência

Contratado para comandar a seleção brasileira pelos próximos quatro anos, PC Oliveira também fez uma avaliação positiva da intertemporada. Para o experiente treinador, a troca de conhecimentos no período em Barcelona servirá para fortalecer o processo de reestruturação do futsal brasileiro.

– Você precisa buscar boas práticas no mundo, existem boas práticas em todas as partes para o futsal, e uma delas está aqui. O Barcelona tem uma estrutura impressionante. A gente está em busca de informações, de gerar conhecimento e levar para lá as coisas que são boas para nós, sempre respeitando a história e o estilo do Brasil para podermos inserir isso na equipe que está sendo construída para o próximo Mundial – finalizou.