A proposta da FIFA de alterar quatro regras do futsal segue sendo tema de discussão entre os nomes do esporte. Considerado um dos maiores jogadores da história, Tiago analisou as mudanças e projetou o futuro do futsal, principalmente dos goleiros, com as novas regras.

Ricardo Artifon

Goleiro Tiago defendendo a Seleção Brasileira de Futsal

Foram quatro as mudanças aprovadas pela FIFA, reguladora do futsal desde 1989. Os itens que mais causaram polêmica foram a utilização do goleiro-linha apenas pelo time que está perdendo a partida; a possibilidade de cobranças de laterais e escanteios com mãos; e a obrigatoriedade do goleiro ter de tocar a bola na quadra de defesa antes de tentar um lançamento para a quadra de ataque. Outra mudança, menos impactante, foi o aumento de três para cinco no número de cobranças de pênaltis nas disputas de partidas eliminatórias.

Goleiro do Sorocaba e bicampeão mundial pela seleção brasileira (2008 e 2012), Tiago preferiu destacar o lado positivo, apesar de ser totalmente contra a cobrança de laterais e escanteios com as mãos.

– É tudo questão de costume. Estávamos acostumados com uma regra mais moderna, agora se faz presente essa mudança voltando ao antigo futebol de salão. Discordo com a reposição de laterais e escanteios com as mãos, a reposição com as mãos achei positivo porque a técnica vai prevalecer e você evita do goleiro estar na frente sem tática. A questão dos pênaltis é tranquila, assim como era antigamente com cinco cobranças e você dá mais chance para quem erra no começo. O que mais acho ruim é a questão dos laterais com as mãos – explicou o goleiro.

Divulgação Magnus

Tiago durante treinamento do Magnus

O argumento da FIFA para as mudanças seria o aumento da competitividade e de gols nas partidas, o que faria do esporte um produto ainda mais atrativo e vendável. Porém, é concenso entre os jogadores brasileiros de que se trata de uma articulação da Espanha, grande defensora da alteração.

– Vai aumentar os gols porque é mais difícil marcar laterais e escanteios cobrados com as mãos. A Espanha é uma grande defensora e jogou muito tempo assim, mesmo com as mudanças. Era uma briga deles para que nunca mudasse, eles conseguiram mudar e cabe a nós uma readptação do jogo – revela Tiago.

O aumento do número de gols certamente vai dificultar a vida dos goleiros. Para Tiago, é um caminho sem volta.

“Eles nunca olham para o goleiro, já estou acostumado e agora é treinar mais para a nova situação que vai ser criada agora”, Tiago.

As mudanças ainda dependem de homologação da Fifa para passarem a valer em competições oficiais. Outros jogadores, como Falcão e Rodrigo, se posicionaram contra a maioria das alterações nas regras.