Após sua primeira eleição em 7 de setembro de 2009, o presidente Javier Lozano revelou em uma entrevista concedida à EFE o trabalho de uma década sob o comando da Liga Nacional de Futsal da Espanha, a LNFS.

Javier Lozano diz que o futsal é um investimento lucrativo, após dez anos na presidência da liga, período em que a unanimidade tem sido constante em todas as decisões de um esporte que quer ser profissional. Confira o bate papo com o presidente:

LNFS

Javier Lozano destaca gestão da LNFS

Pergunta: Como você chegou à presidência depois de ser gerente da Federação e do Real Madrid?

Resposta: Por acaso, quando tinha acabado de sair do Real Madrid, os clubes me pediram ajuda, mas quando vi as contas, disse que não. Então Villar me disse que a primeira vez que eu disse não, eu não era tão louco, mas tirei uma semana e depois disse que sim, com condições.

P: Qual o resumo desses dez anos a frente da LNFS?

Resposta (R): Quando cheguei, fiz o que você faz quando chega a uma casa em ruínas. Eliminei despesas improdutivas, cerca de 2 milhões do orçamento e, em seguida, investi na melhoria do produto, retransmissões, pelas quais pagamos, dando mais qualidade, renovando as faixas de publicidade, fortalecendo a nossa assessoria de imprensa, comunicando e digitalizando a empresa. Cerca de dois anos e meio, já tínhamos pago tudo e começamos a tornar a vida mais confortável para os clubes.

P: E qual é a situação atual?

R: Agora começamos a perceber que somos levados a sério e que as pessoas começam a ver o futsal como um produto consumível, o que é um investimento lucrativo. Temos cinco patrocinadores e direitos de televisão internacional, a liga tem seguidores de 187 países. Conseguimos ser referência mundial e vender consultoria. Por 24 anos, tivemos que pagar muito dinheiro para as transmissões. Nos últimos cinco, conseguimos não pagar a produção e no ano passado conseguimos lucrar com as transmissões. O futsal é um investimento rentável. Valorizamos o retorno aos clubes. Demorou 30 anos para que alguns nos descobrissem e nos amassem.

P: Um regulamento de controle econômico também se aplica?

A: Sim, este é o terceiro ano, mas somos realistas. Sabemos que viemos de um mundo muito desregulado e a implementação é progressiva. Pouco a pouco, teremos mais impacto, porque essa é a chave para uma competição de sucesso e não para nos aventurarmos aqui. É bom que a competição transmita seriedade.

Os clubes em geral estão fazendo as coisas muito bem, estão comprometidos e profundamente enraizados na sociedade em que vivem. Isso dá uma sensação de pertencer ao progresso do campeonato. Se você possui transmissões, público e uma base social, precisará de apoio político e comercial. É um círculo virtuoso e com mais dinheiro o produto é reforçado.

P: E esse controle já entrou em vigor?

R: Agora estamos distribuindo mais dinheiro aos clubes, este ano 700.000 euros e no próximo ano gastaremos 1 milhão. Investimos todos os anos na promoção dos clubes e da competição. Todos devemos remar na mesma direção.

P: Mas alguma voz contra você se ouviu ultimamente?

R: Se houver diferenças, elas deverão ser resolvidas na assembleia ou no conselho de administração, mas o que quer que seja para tentar aliviar e insultar mostra que existem interesses aleatórios. Faz dez anos e em dez anos tudo foi aprovado por unanimidade, não faz sentido que agora que o dinheiro comece, a ganância pessoal nos trai. Não podemos perder o que nos trouxe aqui, nem deixar a semente da divisão prosperar.

P: Esportivamente, como tem sido a progressão da Liga?

A: Evoluiu muito. O Inter Movistar ganhou cinco ligas, mas três no último minuto, por exemplo. O mais importante é que uma classe média muito forte foi gerada; existem seis ou oito clubes em que qualquer um pode vencer. Quando cada partida começa, você tem a sensação de que todos podem vencer e isso cria esperança. Antes era impossível. O fato de Jaén ter ganho duas Copas de Espanha é uma mensagem para o resto da classe média: se ele pôde, eu também posso conquistar.