Com 29 anos, Cleverson Stein, o Canhoto, vai ser um dos jogadores mais experientes do Marreco na temporada de 2020. Em 2016 e 2017, nas duas primeiras participações do Marreco na Liga Nacional, Canhoto era um atleta importante, mas não era considerado um dos jogadores mais decisivos do time.

Agora, ele assume essa responsabilidade, após dois anos longe de casa, com passagem pelo Cascavel em 2018 e pelo Campo Mourão em 2019. Com quatro edições da Liga Nacional nas costas, Canhoto quer mais protagonismo na equipe beltronense e diz que força de vontade é o que não vai faltar.

Adolfo Pegoraro

Ala Canhoto atuou no Marreco em 2016 e 2017

JdeB – Como você avalia a sua volta ao Marreco?

Canhoto – Estou feliz de estar de volta. Foi muito bom esse período fora de Francisco Beltrão, me fez bem jogar no Cascavel e no Campo Mourão. Aprendi bastante com outros tipos de trabalho, outras filosofias, outros jogadores e treinadores, e isso é muito bom para o atleta.

Qual a expectativa para a temporada de 2020?

Estou esperando que seja um ano positivo. O Marreco vem de uma crescente. Isso ajuda bastante quem está vindo. O clube foi o primeiro campeão da Liga Paraná. Agora, estão vindo muitas caras novas e todos estão querendo mostrar serviço. Eu já joguei aqui e sei da responsabilidade que é vestir a camisa do Marreco e representar muito bem a nossa cidade.

Como é, para você, ser um dos jogadores mais experientes do time?

É diferente pra mim. Eu comecei aqui, joguei a maior parte da minha carreira aqui no Marreco. É um pouco novidade ser um dos mais experientes do elenco. É bom isso porque aprendi bastante coisa nesses dois anos, é uma responsabilidade a mais.

Na sua opinião, como deve ser a cara do Marreco na temporada?

Acho que vai ser um time bastante rápido, com uma característica muito forte na marcação, mas com jogadores que querem mostrar serviço, que querem seu espaço no futsal nacional.

Você já está treinando?

Já estou treinando junto com o Ronaldo Germano na Dalla Valle Sports. Ele me passou um treinamento à parte.

Até onde o Marreco pode chegar nas competições que vai disputar em 2020?

Acho que tudo vai depender de como o time vai se encaixar, não tem como prometer nada, mas com certeza a vontade de cada atleta precisa estar presente sempre. Chegar em algum lugar é muito relativo, pois todas as equipes estão treinando e querendo vencer também. Vamos mostrar nossa cara no dia a dia, trabalhando.