Maracanãzinho, Rio de Janeiro, dia 19 de outubro de 2008. Brasil e Espanha decidem o Mundial de Futsal e empatam em 2 a 2 no tempo normal. Após um insistente 0 a 0 na prorrogação, a disputa do título vai para os pênaltis. São cinco cobranças para cada lado, diferente da regra atual com três penalidades. Técnico da seleção brasileira, PC Oliveira olha para o banco de reservas e chama o goleiro Franklin, que entra para substituir o titular Tiago. Seguindo um roteiro de cinema, o camisa 3 pega as cobranças de Torras e Marcelo, dando o título ao Brasil, impedindo o tricampeonato espanhol. Clique AQUI para ver a mensagem do capitão Vinícius.

Divulgação

Jogadores brasileiros posam após a conquista no Maracanãzinho

O histórico duelo entre brasileiros e espanhóis em 2008 é o tema do primeiro episódio do Especial SporTV Futsal. Neste domingo, às 11h, o SporTV2 transmite a íntegra da final que culminou no sexto título mundial brasileiro. Principais personagens da decisão, o capitão Vinícius e, é claro, Franklin, deram os seus depoimentos sobre a partida:

– Ouvi várias vezes ao longo da minha carreira: o Franklin é um especialista em pênaltis. Na verdade sou um especialista em treinamentos. Então, o nosso segundo treinador, o Marcos Sorato, junto com o nosso treinador de goleiros, o Guaíba, e com o Fred Antunes, me tiraram para treinar esse fundamento quando começou a fase de mata-mata daquele Mundial. Eu treinava como se estivesse num jogo para valer, então sou eternamente grato a esses profissionais por essa conquista – disse Franklin.

Contando com a mesma base dos dois últimos Mundiais, exceto o craque Manoel Tobias, já aposentado da seleção, o Brasil fez uma campanha impecável até chegar à decisão. Na primeira fase, goleadas sobre Japão (12 a 1), Ilhas Salomão (21 a 0), Rússia (7 a 0) e Cuba (9 a 0). Na segunda fase, vitórias sobre Irã (1 a 0), Itália (3 a 0) e Ucrânia (5 a 3).

Na semifinal, a vítima foi a Rússia, derrotada por 4 a 2 pelo Brasil. Do outro lado da chave, a Espanha, campeã mundial em 2000 e 2004, batia a Itália por 3 a 2 e chegava a mais uma final de Copa do Mundo Fifa, dessa vez na casa do seu maior rival.

– Os sentimentos que vêm na minha cabeça quando lembro daquela final no Maracanãzinho é a pressão por ter perdido os dois Mundiais anteriores para a Espanha. Se perdêssemos a terceira, a nossa geração ficaria marcada como perdedora. A grande maioria dos jogadores ali estava no seu último Mundial e todos queriam pegar esse selo de campeão. Aquele foi o título mais marcante da minha vida, porque joguei ao lado do meu irmão (o pivô Lenísio) com os meus pais assistindo. Foi o maior presente da minha vida – destacou Vinícius.

Divulgação

Vinícius ergue a taça de campeão mundial de 2008

O capitão brasileiro, inclusive, marcou um dos gols do empate em 2 a 2 com os espanhóis no Maracanãzinho. O outro, o primeiro gol do jogo, foi anotado pelo pivô Marquinho em cobrança de escanteio que contou com desvio.

O Brasil sempre esteve na frente na decisão. A Espanha, que marcou com Torras e Álvaro, contava com alguns brasileiros em seu elenco. Um deles era Marcelo, que perdeu a última cobrança de pênalti defendida por Franklin.

Nas penalidades, marcaram para o Brasil: Marquinho, Wilde, Ciço e Lenísio. Ari perdeu o quinto pênalti brasileiro. Kiki, Ortiz e Álvaro fizeram os gols da Espanha. Antes da cobrança desperdiçada por Marcelo, Torras também parou nas mãos de Franklin, imortalizado como o herói do hexa.