Integrante do elenco do Dracena durante a Copa Paulista de Futsal de 2019, hoje Copa LPF, o goleiro Olinha vivenciou recentemente algumas experiências na Europa, motivadas pela pandemia do novo coronavírus, um pouco diferentes em relação ao que tem ocorrido no Brasil. A equipe dele foi declarada campeã após a paralisação do torneio local. Fora do esporte, o atleta vê a necessidade de alguns brasileiros encararem o combate à Covid-19 com mais seriedade.

O último clube defendido por Olinha foi o Lucenec, da Eslováquia, país em que o goleiro ficou até o final de março, às vésperas das autoridades eslovacas fecharem suas fronteiras.

 

Janci Mintal

Com a liga eslovaca encerrada antecipadamente, o Lucenec, de Olinha, foi declarado campeão

– Saí da Eslováquia faltando um dia para a fronteira fechar. Pois, na minha cidade (Lucenec), tivemos dois casos confirmados, e, na capital, Bratislava, foram oito – relembrou Olinha sobre o cenário por lá até sua saída

E a saída um pouco às pressas teve como causa a espera que ele precisou enfrentar para saber qual seria o desfecho da liga local, paralisada no final de fevereiro, ou seja, quase um mês antes.

A principal competição do futsal da Eslováquia estava em sua fase semifinal e, na somatória total de pontos, envolvendo as etapas anteriores, apresentava o Lucenec, time de Olinha, como o primeiro colocado.

Entretanto, como explicou o goleiro, nem todas as equipes concordaram, a princípio, com o encerramento antecipado da liga e que a taça fosse entregue para a equipe da cidade de Lucenec, com cerca de 80 mil habitantes e localizada ao sul do país, quase na divisa com a Hungria e a cerca de 250km da capital, Bratislava.

 

Arquivo pessoal

Goleiro ex-Dracena espera período de paralisações passar para saber se volta para a Eslováquia

O impasse precisou contar com a ajuda do posicionamento da Uefa para ter um desfecho. A entidade máxima do futebol e futsal europeus colocou a necessidade do fim da liga e, com isso, reconheceu o Lucenec como dono da vaga para a próxima Liga dos Campeões do continente.

De volta ao Brasil, Olinha fez os exames necessários, obedeceu ao prazo de 10 dias de isolamento e, agora, treina separadamente em casa para manter a forma física. Além disso, ele contou que estuda propostas para voltar à Europa após tudo isso passar.

Mas o ex-goleiro do Dracena não falou apenas sobre o cenário esportivo. De Natal (RN), onde reside com a família – mesma cidade de Sandrinho, ala do futsal dracenense, que voltou para casa nesta semana –, ele comentou como tem estranhado e visto com preocupação a forma como algumas pessoas, e não poucas, têm encarado a necessidade de cuidados. E pediu mais seriedade, principalmente à população.

– Aqui em Natal, por exemplo, praticamente todo nosso setor de turismo, hoteleiro, que emprega muita gente, está parado, mas você vê as pessoas nas ruas, formando filas, sem distanciamento nenhum, desrespeitando o que tem sido pedido. E isso não é brincadeira, como vi na Europa. É necessário encarar isso com muita seriedade.

Foto reprodução

Em 2019, goleiro potiguar defendeu o Dracena na Copa Paulista de Futsa