A Liga Nacional de Futsal, após a decisão unânime adotada pelo Conselho de Administração em sua última reunião em 8 de maio, apresentou um extenso relatório ao Conselho Superior de Esportes solicitando, de acordo com o artigo 8. Lei nº 10/1990, de 15 de outubro, relativa ao Esporte, qualificação como competição profissional, uma vez que os requisitos para a obtenção desse reconhecimento são amplamente atendidos.

O LNFS, que organiza a competição desde a sua criação em 1989, continua a trabalhar em benefício de seus clubes associados e solicitou ao Conselho de Administração da CSD sua qualificação profissional, com o argumento de que a competição atende aos requisitos, de que a própria competição em seu artigo 46.2, estabelece quais são: a existência de vínculos trabalhistas entre os clubes e atletas e a importância e dimensão econômica da competição.

Os Clubes da Associação mantêm um relacionamento profissional com os jogadores, treinadores e outros treinadores. Além disso, o LNFS garantiu que o concurso adquirisse grande relevância econômica, após a venda de direitos audiovisuais às reuniões do concurso até a temporada 2022/2023, através da qual a Associação garante uma renda superior a um milhão de euros por temporada e um retorno de mídia auditado pela empresa Kantar Media que varia, dependendo do clube, entre 3 e 30 milhões de euros. Para isso, devemos também acrescentar a receita da venda internacional de direitos de televisão e os acordos de patrocínio que mantém com JOMA, LaLigaSports, Futbar, RehabMedic, BeSoccer e Sierra de Cazorla.

Por fim, vale destacar que a competição oficial possui uma grande implantação social, pois após o último relatório apresentado pela RFEF na temporada 2016/2017, o Futsal possuía 117.633 licenças em todo o país. Além disso, o LNFS possui cerca de 900.000 seguidores em seus perfis de redes sociais e o número médio de espectadores das correspondências mais visualizadas é de cerca de 300.000.

Hoje, as únicas competições profissionais oficiais reconhecidas são a LFP e a ACB e, por trás delas, a Futsal, que aspira a encontrar reconhecimento como competição profissional, com as obrigações e direitos que isso implica.

LNFS

Felipe Valerio do ElPozo Murcia, e Sergio Lozano, do Barça