O Marreco estreia na Liga Nacional de Futsal (LNF) dia 21 de agosto, no Ginásio Arrudão, contra o Atlântico, de Erechim (RS). Além de precisar da autorização do prefeito Cleber Fontana para realizar o jogo em casa, o clube de Francisco Beltrão ainda precisa atender a uma série de exigências da competição.

“Estamos correndo contra o tempo para deixar tudo em dia. O que está certo é que não vamos ter público no Ginásio Arrudão, pelo menos nesse início de temporada”, comenta Ricardo Ronqui, gerente de futsal do Marreco.

Para começar, na quadra o acesso será extremamente restrito. Poderão ficar apenas 12 jogadores de cada equipe e os profissionais de arbitragem. Profissionais de imprensa terão que ficar na arquibancada, com limitações de acesso.

Só ficará no ginásio quem estiver trabalhando. Nem mesmo os diretores poderão estar presentes. “As exigências são muito grandes e estamos levando tudo muito a sério”, diz Ricardo.

Adolfo Pegoraro

Ricardo Ronqui, gerente de futsal do Marreco.