Diogo Pinto FPF

Goleiros garantem segurança no time de Portugal

Edu é o rosto da juventude e Vítor Hugo garante experiência. Os dois guardiões garantem aplicação total nas balizas lusas e, acima de tudo, qualidade. A Seleção Nacional de Futsal de Portugal cumpre esta quarta-feira mais um treino, o quarto, no âmbito da preparação para os encontros diante da República Tcheca, agendados para os dias 6 e 9 de março (sábado e terça-feira), na Atlas Arena, em Lodz, na Polónia.

A Equipe das Quinas concentrou-se no domingo em Oeiras e tem treinado no Pavilhão do Leões de Porto Salvo, tendo em vista os dois próximos encontros de qualificação para o Campeonato da Europa Países Baixos 2022. Edu, eleito recentemente como o quinto melhor goleiro do Mundo nos “Futsal Awards”, foi titular no primeiro encontro diante da Polónia e Vítor Hugo, um dos campeões da Europa em 2018, foi o primeiro goleiro a entrar em ação no encontro de Lodz.

A luta por um lugar no gol tem sido intensa, mas salutar, conforme explicaram os dois guardiões em declarações ao site da Federação Portuguesa de Futebol. O goleiro de 38 anos do SC Braga/AAUM, Vítor Hugo estreou-se ao serviço da Seleção em janeiro de 2007, aos 26 anos, e o fpf.pt desafiou-o a falar sobre este trajeto.

“Foi um trajeto gratificante. Desde 2007 que pertenço a esta família. Nestes últimos anos tenho sido mais regular. No início não o era tanto, mas acho que posso dizer que tem sido percurso muito positivo e que o futuro está entregue. Temos o Edu e temos mais dois ou três [guarda-redes] aí a aparecer com muita qualidade.” Com 65 convocações, Vítor Hugo diz que a sua saída da Seleção será algo natural e não anunciado.

“Se me convocarem eu venho sempre. Não tenho uma meta para dizer que vou acabar. Quando vir que não consigo mais e que o meu corpo não responde, vou parar.” Habituado a estas qualificações e a fases finais, o guardião considera que a união em torno de um objetivo claro é o mais importante para estes dois jogos diante da República Tcheca, desvalorizando o facto de Portugal jogar as duas partidas em campo neutro.

“Temos de fazer o que temos feito até aqui. Unirmo-nos em prol do objetivo que é conquistar os seis pontos nestes dois jogos. Sabemos das dificuldades que nos vão impor, mas nós somos Portugal, os campeões da Europa e vamos lá para mostrar isso mesmo. Como é lógico, gostávamos de jogar em casa, mas agora também não temos público e acaba por ser como eram as outras qualificações – íamos para um país e jogávamos três jogos em quatro dias. Não vai afetar em nada o nosso rendimento.” Sobre a integração de Edu, o guardião que alinha no clube espanhol Viña Alabi Valdepeñas, Vítor Hugo

“É bom [ter jogadores mais jovens a integrar-se]. É sinal que as coisas estão a evoluir e a correr bem. Já conhecia o Edu há alguns meses da liga espanhola e acho que o trabalho que tem vindo a realizar lá é muito bom. É sempre bom termos um português também a mandar, entre aspas, na liga espanhola.” Edu diz que a integração na Seleção tem sido boa e que no caso particular de Vítor Hugo a sua boa disposição e o facto de der brincalhão também ajuda.

“Ele faz com que a família esteja mais unida e ajuda muito. Ajudou-me quando cá cheguei. Ajudou-me a entrar no grupo e vou ser-lhe sempre agradecido por isso. Com 24 anos, soma cinco jogos por Portugal e cumpriu a sua primeira convocação em dezembro de 2019, em França. Espera poder atingir os números de Vítor Hugo.

“Aos poucos, já estou mais confortável e mais entrosado nesta família. No início era complicado, porque já toda a gente se conhecia. Jogam na mesma liga e eu vinha de fora e ninguém me conhecia. Se calhar só o Ricardinho me conhecia da liga espanhola. Mas estou cada vez mais integrado com esta família e com vontade de continuar a trabalhar para vir à Seleção, ganhar experiência e chegar às 65 internacionalizações do Vítor [Hugo].”

Vítor Hugo não esconde que a integração de Edu foi boa. “Os novos jogadores integram-se sempre bem, porque nós somos uma família que sabe acolher bem e acho que não houve problema com ele.” Na receção à Polónia, em Mafra, Edu entrou pela primeira vez no cinco inicial e não escondeu que se tratou de um momento especial.

“Toda a gente gosta de jogar e ao fazer o primeiro jogo a titular pela Seleção, sente-se sempre um bocadinho de nervos, mas logo no primeiro minuto isso sai e queres é ganhar e ajudar a Seleção.” Sobre os próximos jogos, Edu não espera facilidades.

“Sabemos vão ser dois jogos muito complicados, diante de uma Seleção muito forte. Sabem fazer bem as coisas, são fortes estrategicamente e a defender. São muito bem organizados. Vão ser jogos muito complicados, mas temos que olhar para nós e fazer o nosso jogo. Somos campeões da Europa e temos de trazer os seis pontos.”