Mapear o futsal nacional é conhecer um pouco do interior do país. A geografia da modalidade jogada em todos os cantos do Brasil, mas que tem sua força no interior, de alguma forma se reflete também na origem dos seus campeões. Em 24 edições da LNF, houve 11 times campeões, sendo apenas o Corinthians de uma capital. Do seleto grupo de 11 treinadores vencedores, a metade nasceu longe dos grandes centros.

Luan Amaral

Cidão foi bicampeão da LNF com a Intelli

“Para mim é uma satisfação e orgulho estar na equipe da cidade onde eu moro. Foram participações sempre boas, mas em 2012 fomos mais audaciosos e conseguimos brigar por títulos. Chegamos em quatro finais seguidas: 2012, 13, 14 e 15”, afirma Cidão, atual presidente e ex-treinador da Intelli, de Orlândia-SP, campeão com a equipe em 2012 e 2013, com mais de 1.300 jogos no currículo do clube.

Quem saiu na frente na lista dos grandes nomes da função e ganhadores da LNF foi Paulo César de Oliveira. Na primeira edição da Liga Nacional, no distante ano de 1996, sob seu comando, uma marca forte do cenário do futebol brasileiro ganhava também as manchetes do noticiário esportivo, tendo ginásio e bola pesada no lugar de estádios e gramados.

Divulgação

PC Oliveira conquistou quatro títulos de LNF

“Cheguei no meio da campanha do Inter. Era uma equipe muito bem construída e meu trabalho foi muito mais para gerir o time já tradicional no futebol. Enfrentamos o Vasco, do Paulo Mussalém, na final com 13 mil pessoas, e isso teve um peso para mim. Foi marcante pois minha carreira havia se iniciado em 1994”, recorda PC, tetracampeão posteriormente.

Da mesma geração de PC, no início da Liga, Paulo Mussalém também deixou seu nome gravado bem longe de sua terra natal, o Rio de Janeiro. Foram dois títulos em território gaúcho que ele saboreia relembrar passado tanto tempo.

Luiz Pires

Paulo Mussalém foi bicampeão da LNF com a ACBF

“É gratificante recordar aqueles momentos. Depois de jogar as finais de 96, 98 e 2003, nada mais importante para mim, como profissional, do que conquistar 2004 diante da forte ULBRA, dentro de Carlos Barbosa. Uma equipe jovem, cheia de grandes nomes. Fizemos a cidade entrar definitivamente como a capital nacional do futsal e respeitada hoje no mundo todo”, relembra o carioca da cidade maravilhosa, bicampeão com a ACBF em 2004 e 2009.

Por melhores e maiores que sejam os nomes, os números não deixam dúvida. Ganhar cinco vezes a liga mais disputada do futsal mundial é algo incomparável. O feito é de outro carioca. Fernando Ferreti venceu quase todos na cidade de Jaraguá do Sul-SC.

Lucas Pavin

Fernando Ferretti é o treinador que tem mais títulos de LNF, com cinco conquistas

“Um conjunto de fatores contribuiu para tantas conquistas do Jaraguá num período de 10 anos, incluindo as 4 ligas. Uma estrutura profissional apoiada pela empresa, trabalho nas categorias de base que foi revelando ótimos atletas através do tempo, CT e diretoria afinadas com o propósito de fazer o melhor sempre reforçando o plantel com o que havia de melhor. A trajetória dessas grandes equipes como foi Jaraguá nos anos 2000 sempre é marcada por um conjunto de fatores formando um círculo virtuoso”, aponta Ferreti, tetra pelo Jaraguá em 2005, 07, 08 e 10, além do campeonato pelo Santos, em 2011.

Conquistar o título mais importante do futsal brasileiro é uma espécie de caminho a percorrer até chegar na Seleção Brasileira. Hoje, cabe a Marquinhos Xavier comandar a amarelinha. Foi vestindo laranja, entretanto, que ele fez o nome da ACBF cruzar fronteiras.

Ulisses Castro

Marquinhos Xavier comandou a ACBF no pentacampeonato em 2015

“Foi fundamental para fortalecer a reconstrução do projeto. A conquista de 2015 permitiu que a ACBF avançasse em nível internacional, o que deu uma longevidade para aquele ciclo de trabalho. E serviu também para reformular algumas questões de necessidade de outra estrutura de trabalho e readequação. Todos nós ficamos muito felizes com aquele título”, explica o treinador que recuperou o posto mais alto do time gaúcho no ano de 2015.

O estado de São Paulo é quem mais formou treinadores campeões. São cinco contra três do Rio de Janeiro, dois de Santa Catarina e apenas um do Rio Grande do Sul. Curiosamente, o estado gaúcho é disparado o maior vencedor em se tratando de clubes. Foram nove conquistas. São Paulo e Santa Catarina, com cinco títulos cada, são os próximos da lista. Paraná e Minas Gerais tiveram duas e Rio de Janeiro, uma.

 

Confira algumas histórias das conquistas dos treinadores

Cidão: “Na primeira conquista tomamos 4 a 0 no primeiro tempo e no segundo conseguimos uma virada épica conquistando o primeiro título para a cidade de Orlândia. Carreata na cidade de 8h e um cansaço que valeu muito a pena. Foi muito bom. Na segunda conquista tivemos ajustes pontuais no time. Trouxemos a vantagem para casa e com um gol do Falcão no fim do jogo conseguimos o bicampeonato. Uma cidade de 40 mil habitantes que respirava futsal. A história linda está gravada.”

Paulo Mussalém: “Em 2009 foi a grande conquista, pois foi a primeira equipe ganhando fora de casa, da Malwee, com um gol na prorrogação do Lavosier. Foi sensacional. Naquele ano ganhamos a tríplice coroa, já com uma equipe mais mesclada com reforços se juntando a remanescentes da campanha de 2004. Construímos uma harmonia na quadra e tivemos sempre o apoio da diretoria. A cidade viveu um clima épico pois são poucas as equipes que conseguem conquistar o que foi conquistado aquele ano.”

Fernando Ferreti: “A decisão de 2011 foi muito equilibrada. Santos e ACBF tinham grandes equipes e normal que a decisão fosse no detalhe das cobranças de pênaltis. Recentemente revimos a partida e se pode relembrar a quantidade de ótimos atletas que tinham as 2 equipes. Perdemos o jogo de ida em Carlos Barbosa e o Falcão. Tínhamos Jé e Jackson lesionados e mesmo assim o grupo se agigantou e venceu no tempo normal por 3 a 2, e soube levar a decisão para os pênaltis. Mas sem dúvida que o equilíbrio era tanto que se a ACBF tivesse vencido seria absolutamente normal.”

PC Oliveira: “A Ulbra foi o projeto esportivo universitário melhor construído no país. Envolvendo todas as modalidades. O principal naquele período não era a concorrência com o exterior, porque naquela época os jogadores iam mais embora do que hoje. É porque iniciamos o trabalho do zero, tendo que mostrar resultado e fomos campeões no primeiro ano em 1998. Até hoje é um trabalho estudado e que serve de referência pelos resultados obtidos na época.”

 

Veja a lista dos 11 treinadores campeões e as equipes por onde conquistaram a LNF

PC Oliveira: Araraquara/SP – Internacional e Ulbra (3x)

Miltinho: Guarulhos/SP – Atlético Mineiro (2x)

Ricardo Lucena: Rio de Janeiro/RJ – Vasco da Gama

Jarico: Estrela/RS – ACBF (2x)

Paulo Mussalém: Rio de Janeiro/RJ – ACBF (2x)

Fernando Ferreti: Rio de Janeiro/RJ – Jaraguá (4x) e Santos

Cidão: Orlândia/SP – Intelli (2x)

Vander Iacovino: São Paulo/SP – Magnus e Joinville

Marquinhos Xavier: Joinville/SC – ACBF

André Bié: São Paulo/SP – Corinthians

Sérgio Lacerda: Florianópolis/SC – Pato (2x)