Com dois times bastante reformulados em relação ao ano passado, quando ACBF e Corinthians venceram a Taça Brasil e a LNF, respectivamente, as duas equipes entraram em quadra para jogar pela Supercopa de Futsal. O título, disputado em jogo único em Carlos Barbosa, determinou o supercampeão da modalidade pelo segundo ano, passando das mãos do último vencedor, Jaraguá, para os laranjas.

Vander Carioca abriu o placar e Marlon empatou ainda na primeira etapa. No segundo tempo, Deives, em seu primeiro jogo oficial pela ACBF, marcou contra o ex-clube, de pênalti, e deu números finais. O jogo seguiu quente e cheio de oportunidades até o final, com destaque para o goleiro Léo Oliveira, realizando inúmeras defesas complicadas.

Agora os fãs do futsal aguardam pelo início do campeonato mais importante da modalidade, a Liga Nacional de Futsal 2017 (LNF2017), que começa nesta sexta feira.

Ulisses Castro

Autor do gol de empate, Marlon domina no peito

O jogo

Jogo começou disputado e viril, mas com lealdade. As primeiras finalizações foram da ACBF, com Felipe Valério e depois Marlon em cobrança de falta. Os lances de perigo demoraram a aparecer. Rafa lutou pela posse de bola próximo à área alvinegra e a bola sobrou para Deives, que  foi abafado por Guitta. O Corinthians respondeu com cobrança de falta, sofrida por Vander Carioca, que, depois de rolada, Pepita chutou, com desvio da defesa, porém.

Aos doze minutos, Guitta teve que sair da sua área para evitar que a ACBF chegasse com liberdade para tentar o gol. A partida começava a esquentar. Aos dez, Alex tentou virar para cima da marcação de Mithyuê, com perigo para meta do time laranja. Com seis e trinta de jogo, após trama de passes, Leandro Caires partia de frente para o gol. Sem opções para impedir o avanço do adversário, Deives cometeu falta dura, por trás, o que lhe custou o amarelo. Na cobrança de falta, muita movimentação em jogada ensaiada, bola para Vander Carioca que não perdoou. Corinthians um a zero.

Ulisses Castro

Mithyuê e Edson disputam pela posse de bola

Na sequência a ACBF tentou responder também em cobrança de falta. No contra ataque Genaro teve a oportunidade, com um bonito giro, mas acabou bloqueado. Faltando cinco minutos para o intervalo, Deives recebeu na linha de fundo, fez a pisada enganando a marcação e serviu Marlon, livre, para empurrar para as rede e empatar.

Com três minutos no cronometro decrescente, Vander quase conseguiu cutucar uma bola que cruzou a área. Depois, em vacilo de Edson, Rafa quase conseguiu espaço para o chute, mas Nenê apareceu bem para evitar. No último minuto da primeira etapa, Leandro Caires roubou a bola de Mithyuê no centro da quadra e avançou livre para o um contra um com o goleiro. Quem levou a melhor foi Léo Oliveira, salvando a ACBF. Mateus quase colocou o Corinthians na frente do placar outra vez. Com linda finta de corpo ele abriu o espaço e finalizou à direita da meta laranja. Ainda deu tempo da ACBF pressionar em busca da virada. Primeiro com Mithyuê, depois com Marlon, de primeira, após cobrança de escanteio, ambas com muito perigo.

Na segunda etapa quem começou finalizando foi o Corinthians, com uma bomba de Garrincha. Depois disso, a disputa foi intensa, com as duas equipes cientes de que era hora de definir e não dar espaços ao adversário.  Alex, aos cinco minutos, fez jogada individual pela lateral direita e tentou a cavadinha para cima de Léo Oliveira, mas a bola estufou no peito do arqueiro.  Faltando 13 minutos para o fim de jogo, Wilsinho impediu a passagem de Júlio depois da finta e cometeu o pênalti. Na cobrança imperou a lei do ex. Deives marcou o gol da virada, colocando a bola do lado oposto de Careca. Em decorrência das reclamações pela marcação da penalidade, André Bié, treinador corintiano, acabou expulso.

Faltando oito no cronometro, em mais uma cobrança de falta, quase o Corinthians consegue o empate, novamente com Vander Carioca, desta vez desviando a bola junto à trave. O goleiro Guitta também fez sua tentativa, com um chute forte que acertou o peito do goleiro da ACBF. Sufocando a ACBF, Alex chutou no canto para mais uma defesa de Leo Oliveira.

Ulisses Castro

A partida foi muito disputada no plano técnico e físico também

Com o jogo ficando mais nervoso, as equipes pararam mais jogadas com faltas. Faltando cinco para o apito final, Johnny entrou como goleiro linha pelo Corinthians. A partir daí os paulistas dominaram as ações e chegaram com perigo algumas vezes. Vander teve boa chance mas também parou em Léo Oliveira, que aos poucos foi se tornando destaque da partida, travando grande duelo com o veterano pivô.

Nos últimos três minutos prevaleceu a raça dos gaúchos, que bloquearam a maior parte dos chutes. Quando a bola vazava a marcação, Léo Oliveira estava lá, como em lance faltando um minuto e vinte e quatro segundos para o final da partida, em que defendeu duas vezes para evitar o empate. Em contra ataque da ACBF, Alex salvou o Corinthians de levar o terceiro gol com um carrinho.

No último minuto Léo Oliveira defendeu três bolas de altíssimo grau de dificuldade, uma de Alex, outra de Vander, que ainda desviou na trave, e mais uma faltando três segundos para o final, tornando-se um dos grandes responsáveis pelo título ao lado de Deives, autor de um gol e uma assistência.