O título da Supercopa não veio, mas a torcida do Marreco Futsal demonstrou que gostou do que viu nas partidas disputadas no Ginásio Arrudão, dias 14 e 16 de março. A vitória sobre o Pato Futsal, na semifinal, por 3 a 1, deu confiança. E, embora tenha surgido certa tristeza na derrota por 4 a 2 para o Corinthians na final, muitos torcedores têm boas perspectivas para esta temporada.

José Delmo Menezes Júnior

Marreco alcançou o Vice-Campeonato da Supercopa de Futsal

As amigas Daniele Scotti, Natieli e Luciane Santos assistiram juntas ao jogo de sábado. Daniele disse que estava acreditando no título, mas admite a torcida. “Não desanimo, na hora do jogo, a emoção bate”, disse.

Luciane estava confiante. “Eu me emociono muito e torço bastante, estava com fé, porque eles ganharam do Pato, podiam ganhar do Corinthians também, o problema foi nos últimos minutos. Mas a gente veste a camisa, vou continuar torcendo sempre”, comentou.

Já a torcedora Dely Vecisnki Bizolo vai mais longe. Primeiro, ela afirma que saiu do ginásio de cabeça erguida, pois o Marreco jogou bem. “Eu sabia da qualidade do Corinthians, mas o Marreco jogou de igual pra igual, foi grandioso, foi guerreiro”, declarou.

Ela se diz fã do Marreco e acredita que 2019 vai ser um grande ano. Para Dely, a base do time, com destaque para Sinoê, Fabiano Assad e Pedro Rei, é muito boa. “Quando eles estão na quadra, os adversários respeitam”, completou a torcedora.

Bruno Gabriel Thomazoni lembra que existe pressão porque o arquirrival, Pato Futsal, ganhou muitos títulos em 2018. “Achei que a gente ia finalmente ganhar um campeonato. Tenho a impressão que, com o Pato ganhando tudo, aumenta a pressão. Parece que é um time que tem medo de ser campeão, porque vai bem, ataca e, do nada, para. Também foi um jogo difícil, com o Corinthians, que tem camisa de peso”, opina Bruno Gabriel.

José Delmo Menezes Jr

Pivô Sinoê é um dos ídolos do Marreco

Ano do Marreco

“Este é o ano do Marreco”, na visão do radialista Silva Junior. Ele reside atualmente em Videira (SC) e acompanhou a final pela TV. Apesar da derrota, o desempenho do time do coração deixou Silva esperançoso. “O Marreco está melhor que em temporadas passadas, quando chegava a dar um frio na espinha no início do ano. Perdeu para o melhor elenco do futsal brasileiro, foi superior ao Corinthians em vários períodos do jogo, mas faltou experiência pra administrar o final da partida e aí ficamos com o vice”, disse.

Estreia na Ouro

No próximo sábado, o Marreco Futsal volta às quadras, na estreia do Campeonato Paranaense Série Ouro, contra o Paranavaí, às 20h30, no Arrudão. Em abril, também iniciam os jogos da Liga Nacional e da Copa do Brasil. Isso sem contar a Copa Chopinzinho, em que defende o título com a equipe sub-20.