Está batido o martelo. Após a lanterna da última edição da Liga Nacional, o Brasília representará a capital federal na edição 2021 da competição, marcada para começar no dia 26 de março. Para este ano, entretanto, o time passou por profundas mudanças, desde o técnico até um elenco renovado, o time espera fazer um papel melhor no principal torneio de clubes do futsal nacional.

A primeira participação do Brasília na LNF foi uma espécie de batismo de fogo para o time. Acostumado a dominar os torneios na capital federal, a equipe sofreu com o nível da competição nacional e, apesar de boas apresentações, conquistou apenas uma vitória, em casa, diante do São José (SP).

– As expectativas são as melhores possíveis. A gente sabe da campanha do ano passado, sabe da necessidade de fazer uma melhor campanha. A gente tem trabalhado há um mês e isso faz bem porque a gente também tem jogos pra fixar o trabalho – afirmou o técnico Bruno Silva, recém-chegado ao time. Na temporada passada, Brunão, como é conhecido, levou o Dracena ao título da Liga Paulista de Futsal.

Segundo Marcelo Laitano, supervisor da equipe, a intenção é de que, com jogadores com mais rodagem, o time tenha mais experiência em quadra em momentos capitais. No ano passado, o Brasília chegou a ter 5 a 0 de vantagem diante do Minas, mas se perdeu no jogo e permitiu o empate mineiro. Além disso, a intenção do time é fixar de ver o nome de Brasília na competição.

Para 2021, o time perdeu alguns dos destaques da última Liga Nacional. Churrasco e Anderson, além do goleiro Luan, que foi para o Cazaquistão, deixaram a equipe. Em contrapartida, o elenco contou com a chegada do pivô Matheus Gedeon, ex-ACBF, e o ala Matheus Moura, ex-Magnus, e campeão dos Jogos Olímpicos da Juventude em 2018.

– Já tivemos a experiência da temporada de estreia. Nossa intenção ao final do ano é comprar uma franquia e manter Brasília sempre na Liga Nacional. A gente quer entrar mais forte e calejado pra conseguir uma vaga nos playoffs.

Lucas Magalhães

Brasília ira disputar a LNF pelo segundo ano seguido