Estado com maior número de participantes na LNF 2020, o Paraná pode ter todas as seis equipes classificadas para os playoffs. Metade já está garantida e a outra depende da última rodada. Além do Umuarama, que este ano voltou a disputar a competição, os outros cinco paranaenses, de modo geral, mantêm a tradição da região no futsal, afinal, o atual bicampeão Pato lidera o seu grupo. A situação mais delicada é a do Marreco, quinto colocado no grupo B com nove pontos.

Adolfo Pegoraro

Serginho Schiochet quer a classificação do Marreco na última rodada

“Não é o que esperávamos. Se não atingirmos o objetivo, não podemos estar contentes. Chegamos agora na última rodada tendo que vencer o jogo e dependendo de resultados. Mesmo na chave mais difícil da LNF, por ser uma equipe jovem, em alguns jogos deixamos o resultado escapar”, avalia o treinador Serginho Schiochet.

Dois outros times do Paraná também dependem do que irá acontecer no próximo final de semana, quando se encerra a primeira fase da competição. Tanto o Campo Mourão, sexto lugar na chave C, quanto o Foz Cataratas, quinto no B, precisam somar pontos para ir adiante.

“Nossa campanha, mesmo chegando na última rodada com a classificação dependendo somente de nós mesmos, está aquém do que esperávamos. Nosso planejamento era classificar em melhores posições e entrar na briga pelo título da competição, mas, o grupo no qual caímos é muito forte e competitivo, o que com certeza dificultou nosso plano inicial”, reconhece Marlus, comandante do Foz Cataratas. Opinião semelhante ao do colega Alemão, do Campo Mourão.

Assessoria Foz Cataratas

Marlus busca a classificação para os Playoffs com o Foz Cataratas

“Hoje, o que mais preocupa é o desequilíbrio emocional. Sabíamos que poderia acontecer, caso não conseguíssemos os resultados. Estamos trabalhando muito para tentar reverter esta situação na LNF, pois ainda temos chances de classificação e sabemos que o mais importante é como terminar. Seguimos acreditando no trabalho e na equipe”.

A situação mais confortável, sem dúvidas é a do Pato. Defender o bicampeonato é mais uma das responsabilidades de quem tem um time forte e que aos poucos foi crescendo, até garantir antecipadamente a classificação para as eliminatórias.

“A campanha é satisfatória, crescendo jogo a jogo. Com os atletas melhorando seu rendimento físico e técnico, também com um crescimento tático no coletivo”, observa o treinador Sérgio Lacerda.

Marcos Pi

O Cascavel, do técnico Cassiano Klein, já está classificado para os Playoffs

Outra equipe já classificada é o Cascavel. No ponto de vista de seu comandante, Cassiano Klein, uma série de empates comprometeu uma pontuação mais tranquila na tabela.

“Em 11 jogos tivemos duas derrotas. Isso porque competimos com intensidade e comprometimento nos jogos. Claro que nos cinco empates seguidos esperávamos ter melhor resultado. Mesmo assim nos deu a condição de chegar nas últimas rodadas classificado.

Enquanto a primeira fase não termina e ficam conhecidos os 16 classificados, os treinadores avaliam uma edição diferente da LNF. Não apenas pelo formato regionalizado, mas pela adaptação que cada um, à sua maneira e dentro de suas possibilidades, procurou fazer nos seus clubes diante do cenário atípico da pandemia. Confira a opinião de cada um a respeito do assunto mais falado na temporada 2020.

 

Campo Mourão – Alemão

Antes da pandemia fomos uma equipe muito equilibrada técnica, tática e emocionalmente. Vencemos dois torneios preparatórios, vencendo equipes que estão bem na Liga Nacional. Pós pandemia, pouco tempo de preparação e muito tempo sem atividades, a equipe vem fazendo bons jogos, mas não conseguindo os resultados esperados.

Cascavel – Kassiano Klein

Foi um grande desafio para todos ficar tanto tempo parado sem saber quando voltariam as competições. E voltamos para três. Conseguir se preparar para jogar taticamente, para jogar na média três jogos por semana, mais as viagens, era algo novo e não sabíamos como iriamos superar.

Foz Cataratas – Marlus

Os reflexos da pandemia na nossa equipe foram notórios no rendimento. Ficamos em trabalhos remotos por aproximadamente 135 dias, algo incomum para nossos atletas. Durante esse período perdemos dois atletas para o futsal europeu. Tivemos que remontar a equipe e refazer todo planejamento.

Marreco – Serginho Schiochet

A pandemia existe ainda e exige cuidados. Isso afetou todos, uns mais outros menos. Aqui na reformulação perdemos jogadores importantes, o que afetou ainda mais até a retomada dos jogos. E continua afetando com a falta de público, perda de patrocínios para reforçar o elenco. Planejamos disputar a temporada em dez meses e estamos jogando em quatro.

Pato – Sérgio Lacerda

Já esperávamos a alternância e os autos e baixos da equipe, que com o passar dos jogos começou a ter mais regularidade dentro das partidas, tendo um crescimento nesse momento importante dentro da competição.

Diego Ianesko

Pato, do técnico Sergio Lacerda, é o líder do grupo C

Próximos jogos dos paranaenses

Jaraguá x Umuarama

Joinville x Cascavel

Blumenau x Foz Cataratas

Marreco x Atlântico

Joaçaba x Umuarama

Pato x Campo Mourão